RUA CHABAD, 105 - CERQ. CÉSAR CEP 01417-030 - SÃO PAULO - SP

RITA CADILLAC – A LADY DO POVO

Cartaz-Rita-Cadillac
Direção – Toni Venturi
Gênero – Documentário / Biografia
Versão  – Longa-metragem (77’) / Episódio (52’)
Lançamento – Abril 2010
Roteiro – Daniel Chaia, Toni Venturi
Pesquisa – Bel Rocha
Fotografia – Jay Yamashita
Som – Samuel Braga, André Tadeu, Rodrigo Ferrante
Musica – Gustavo Kurlat, Ruben Feffer
Montagem – Rodrigo Menecucci
Programação Visual – Rudi Bohn, David Shima
Produção Executiva – Sérgio Kieling
Produção – Olhar Imaginário

Rainha dos garimpeiros, caminhoneiros e presidiários. Sex symbol dos anos 80, Rita lança-se como atriz pornô em 2005. A revelação da faceta humana da atriz atrás da máscara da personagem. O documentário ganhou o edital Petrobras, Abpi-TV e SBT.

 

RITA CADILLAC revela os momentos mais importantes da vida e carreira da vedete através de depoimentos e imagens inéditas, resgatando um rico material de arquivo, desde os anos 80 como dançarina em “O Cassino do Chacrinha” até os filmes pornográficos atuais. O documentário contrapõe o lado midiático do símbolo sexual brasileiro com o lado caseiro e cotidiano, numa reflexão sobre a linha que separa a celebridade da mulher real e humana.

 

A mulher comum e afetuosa está a quilômetros de distância da inacessibilidade e frieza de outras estrelas. Rita é uma diva legitimamente popular e madrinha dos presidiários do Carandiru com quem conviveu por mais de vinte anos. Com as avantajadas medidas de seu bumbum, de acordo com o gosto nacional, Rita Cadillac ainda povoa a imaginação dos brasileiros e continua a desafiar as convenções sociais com sua ousadia.

 

 

(…) uma vida como de Rita Cadillac/Rita de Cássia teria tudo para se prestar ao folclórico; ou tudo para ser pasteurizada pelo medo da incorreção. A virtude é manter-se nesse fio de navalha entre duas tendências opostas, posição incômoda adotada em benefício do espectador. Afinal, uma das recompensas de quem vê um documentário é a descoberta de um personagem em sua complexidade.”
Luiz Fernando Zanin Oricchio
(Caderno 2, 16/4/2010)

Coprodução com a televisão aberta, veiculado pelo SBT na versão reduzida.